terça-feira, 23 de novembro de 2010

Ainda doi...

"Quem tentar possuir uma flor,
verá sua beleza murchando.
Mas quem apenas olhar uma flor num campo,
permanecerá para sempre com ela.
Você nunca será minha e
por isso terei você para sempre
."


Tudo evidenciava que iria ser uma noite normal. Dormi rápido. Estava muito cansada, não pensei em nada antes de dormir, simplesmente, apaguei. Hoje quando acordei meus olhos estavam úmidos. Sinal de te eu havia chorado. Alguém voltou para assombrar as minhas noites. Há quanto tempo não sonhava contigo? Bom, nem sei. Eu só queria saber por que voltei a sonhar com você. Afinal não existem mais motivos pra sonhar contigo. Você está bem demais com ela. Ou não. Não sei o porquê, sei que nos meus mais profundos sonhos, inesperadamente você aparece. E pelo menos neles eu posso te ter. Bagunçar-lhe o cabelo, fazer carinhos, dizer que amo. Bom, isso não é pra mim. Num momento em que eu achava que estava tudo muito bem, você me aparece, e eu deixei você passar, tola eu, sem saber que mais tarde eu mesma iria sofrer. Sabe, pensei que já tinha passado a dor, ou mesmo o tempo havia-a anestesiado. Bom, basta um sonho pra tudo voltar. Mas eu não quero que isso volte como diversas vezes já voltou, pra me fazer sofrer. Por que simplesmente você não pode sumir do meu inconsciente? Talvez eu não sonhasse mais com você. Se bem que não sei se não sonhar mais com você vai me ajudar, ou simplesmente piorar. Nos sonhos posso te ter. Talvez seja por isso que a dor que hoje eu sinto, seja mais fraca do que eu sentia há quase dois anos atrás. É se tornou uma cicatriz, que assim como as cicatrizes da pele às vezes inflamam ou doem mesmo depois de anos e anos daquela cirurgia, às vezes depois de anos e anos essa também dói. O que fazer quando doer? Não tem um remédio especifico, só tem mesmo o futuro. Ele nos dá toda a certeza que algo vai mudar. Mas dói esperar esse futuro, porque, querendo ou não, já se passaram quase dois anos, e esse futuro que parece tão incerto, me ajudou, ao menos, a aguentar a dor. Dor, que se não fosse esse futuro, eu hoje não conseguiria, ao menos, te ver com outra, mesmo que essa outra eu tenha um carinho grande. Isso é de realmente parar pra pensar, amor. Amor não é querer prender, ou sequestrar só pra você. Amor é mais do que nunca deixar livre. Livre para escolher qual caminho trilhar. Afinal, amor é desejar o melhor, mesmo que esse melhor não seja comigo. Mesmo que o melhor seja ele estar com ela, bagunçando o cabelo, ensinando assuntos pouco entendidos pelo o mesmo, enfim, amando-lhe. Sinto-me bem em saber que estas bem, morrendo de amor e continuando vivo como você mesmo diz. Mas sou humana, sofro com isso, porque apensar de tudo, eu o amo, e o queria comigo. Mas sabe como nesse mesmo sonho alguém me disse que era a vida, ela é assim, simplesmente, porque é. E então eu posso ter certeza, que se ao menos posso te olhar, te terei para sempre dentro no meu coração.

4 comentários:

Camila disse...

Adorei o texto e adorei o blog *-*

Ah, ainda bem que gostou do meme :) Já li suas respostas.

beijo e obrigado por comentar no meu blog ;*

Acamp's disse...

Gente seu blog é muito bom, Parabéns.

barbaranonato disse...

Amores perdidos são cicatrizes que carregamos por toda a vida e que, às vezes, voltam a doer.
Gostei!

Káh Menezes. disse...

Oi flor, tudo bem?
Primeira vez que venho aqui e amei seu blog já estou te seguindo, me segue também?

Ah e nao esquece de dar uma conferida no sorteio de tiaras que esta havendo no blog!

Te espero lá! =)
Beijos, Káh.
www.universoblue.blogspot.com

DIREITOS AUTORAIS

Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98, violá-los é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal Brasileiro.

Art. 7. São obras intelectuais protegidas as criações do espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro.

Art. 28. Cabe ao autor o direito exclusivo de utilizar, fruir e dispor da obra literária, artística ou científica.

Art. 29. Depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades.